Posts com a Tag ‘multimídia’

Entrevista – Raquel Kogan

segunda-feira, setembro 27th, 2010

Instalação Reflexão#3, de Raquel Kogan

A entrevistada da semana no nosso blog é  Raquel Kogan que foi convidada a integrar o júri de premiação do Festival Conexões Tecnológicas, ao lado de Jimmy Leroy Faria e Lucas Bambozzi. Raquel é graduada em Arquitetura e dedica-se em suas obras à investigação do espaço nos meios digitais. Seus projetos au.to-re.tra.to, ocupação#1, reflexão#2, reflexão#3 já foram exibidos em diversos locais, entre eles no Palácio das Artes (Belo Horizonte), ZKM (Karlsruhe, Alemanha) e Art@outsiders (Paris, França). No 6º Prêmio Sergio Motta, Kogan recebeu uma menção honrosa pela obra “Reflexão e suas inflexões”.

Em suas instalações, o espaço costuma ser trabalhado de forma a criar reflexões através de vidros, espelhos e água. Os números e a ideia de infinito também são bastante presentes, como em Reflexão (2003) e Projeção (2004). Como essas questões têm aparecido nas suas últimas obras?

A questão, na  verdade é esse momento único e não repetido em que o visitante vê a obra e a obra vê o visitante. Isto continua perpassando todas as minhas obras: esse momento em que tudo é igual e ao mesmo tempo completamente diferente.

Na instalação interativa “reler”, exibida no FILE 2010, cada um dos seus 50 livros de uma biblioteca sonora traz a gravação da voz de uma pessoa que lê um trecho de um escritor como Fernando Pessoa, Kafka, etc. Uma multiplicidade de vozes surge quando o público abre os livros ao mesmo tempo. Fale um pouco sobre este projeto:

A instalação sonora interativa “reler” consiste em uma prateleira com 50 livros. Mas, não são livros comuns, são livros para serem ouvidos e não lidos. Pequenos trechos prediletos, escolha pessoal de 50 pessoas convidadas a participar da execução da instalação, cada livro tem seu dono e sua voz. Ao abrir um livro, o interator tem seu rosto iluminado por um led, ao mesmo tempo em que dispara o som pré-gravado da voz daquele que selecionou esse trecho do seu livro predileto. Simultaneamente, no espaço expositivo, todos os textos sendo “lidos”, isto é, tirados da prateleira e abertos, vão somando uns ao outros em um palimpsesto de vozes.

Os finalistas do Conexões Tecnológicas 2010 serão divulgados até o dia 30 de setembro. Conheça os trabalhos inscritos e debata sobre a produção universitária em nosso ning. Siga o Festival também no facebook e no twitter.

Entrevista – Giuliano Obici

quarta-feira, agosto 4th, 2010

Giuliano Obici e Alexandre Fenerich

Confira a nossa entrevista da semana, com Giuliano Obici.

Ele é artista experimental com ênfase em arte sonora, mestre em comunicação e semiótica pela PUC-SP com o livro “Condição da Escuta: mídias e territórios sonoros” ed. 7Letras e doutorando da ECA-USP. Além de professor da Escola de Artes na UAM, ministra cursos livres em arte digital abordando temas como interação em tempo real de áudio e video e instalações utilizando software e hardware livre. Forma o duo N-1 com o músico Alexandre Fenerich.

Nas apresentações do duo N-1, objetos como brinquedos de plásticos e vitrolas são incorporados, criando uma performance sonora visual. Você pode falar sobre a relação entre música e imagem no projeto?

O N-1 surgiu de uma busca pela experimentação do som. O uso de imagem veio depois por uma necessidade bem pontual em relação à performance musical. Imagine um palco com um monte de bugigangas que emitem som: rádio de pilha, bonecos de corda, caixinha de música, vitrolinhas; e duas pessoas tentando fazer música ao vivo com esses objetos, misturando-os com outros protótipos de instrumentos musicais – tecladinhos de brinquedo com circuit bending, sintetizadores caseiros, violão-relê e instrumentos digitais que processam os sons via computador. Colocamos tudo isso no palco e tocamos, gerando grande tensão para quem assiste-escuta, assim como para nós que tocamos. Diferente da performance tradicional musical onde se tem claro de onde vem o som no palco e como ele é produzido pelos músicos, na performance do N-1 os gestos mínimos não oferecem ao ouvinte essa relação direta. Tentando dar conta dessa desconexão visual, historicamente relacionado com o gesto do instrumentista, restituimos o pacto visual da performance musical com a utilização de um sistema de 4 câmeras de vigilância. Assim, nossos gestos são ampliados num telão, da mesma forma como amplificamos os sons. A partir daí iniciamos uma pesquisa de imagem dentro de uma perspectiva da experimentação sonora que conduz nosso trabalho. Narrativas diversas e absurdas se desenvolvem na dança dos próprios objetos em cena. Depois, vieram as imagens puramente sintéticas ao modo da performance da peça Marulho-Oceânico que apresentamos no festival Live Cinema 2009. Provavelmente a nossa próxima performance terá remix de filmes com a temática musical.

Entre os trabalhos inscritos no Festival Conexões Tecnológicas 2010, você destacaria algum? Por que?

A instalação Marvin Gainsburg, de Jeraman e Filipe Calegario é um exemplo interessante das questões múltiplas que envolvem a criação nos meios digitais. Transitando entre diferentes linguagens, envolve aspectos técnicos que lidam com associação e fluxo de textos postados no Twitter, criando uma experiência musical que pode ser associada à figura do repentista na tradição da música popular. Na instalação, palavra, som e imagem; poesia, música e video; indexação, algoritmo de reconhecimento de voz e inteligência artificial são associados. Tudo a partir de um dispositivo interativo, palavras projetadas, microfone, câmera e a web. Uma outra dimensão importante do trabalho é a participação das pessoas pela Internet, através de um sistema de busca com banco de dados alimentado pelo Twitter. Esse trabalho coletivo interfere diretamente no resultado da obra. Sobre o ponto de vista técnico é um trabalho sofisticado que implica um esforço grandioso e difícil de ser desenvolvido sozinho. Complexo pela utilização e articulação entre diferentes softwares e linguagens de programação. É significativo que ele tenha sido desenvolvido sob uma plataforma de distribuição livre, onde o trabalho acontece através de uma dinâmica coletiva pautada na colaboração e distribuição de conhecimentos na qual toda sua estrutura se fundamenta sobre a lógica do software livre e da internet como parte de uma obra múltipla. Para finalizar, ficam as perguntas: Existirá uma versão para português? Ou ainda, faremos nos próximos anos performance musical alá Marvin assim como as disputas entre repentistas? Conjecturas a parte, Gainsburg é um projeto instigante que tem virtudes quando pensamos nos possíveis cruzamentos que a tecnologia produz e nas fronteiras que ela possibilita experimentar, ainda mais quando estabelece este tipo de diálogo com nossa cultura musical. De alguma forma, Jeraman e Filipe nos lançam pistas para o que possa vir a ser os desdobramentos do repente na cultura digital.

Qual projeto ou artista você indicaria como referência para o trabalho que você escolheu para comentar?

Sven König no trabalho do ScrambleHackz (2008) não lida diretamente com o reconhecimento de fala, mas trata de uma questão em torno do remix audiovisual partindo da voz como instrumento de controle e de um sistema de busca de arquivos a partir de uma análise da onda sonora; Uma performance audiovisual e instalação para voz e mídia interativa (2003) criada por Golan Levin e Zach Libermana com Jaap Blonk e Joan La Barbara; Conversation Piece (2008), de Alexa Wright e Alf Linney; Conexões com Oráculo Sonoro de Julian Jaramillo e Giuliano Obici -2005

Leia Também a entrevista com a crítica de arte Priscila Arantes.

Inscreva-se no Conexões Tecnológicas 2010 até 06 de agosto. Conheça os trabalhos inscritos e debata sobre a produção universitária em nosso ning. Siga o Festival também no facebook e no twitter.

II Festival Ibrasotope de Música Experimental começa hoje

terça-feira, julho 27th, 2010

Arte sonora, circuit-bending, drone, eletrônica ao vivo, esculturas sonoras, improvisação livre, instalação sonora, vídeo-partitura. Estas são algumas palavras ligadas ao II Festival Ibrasotope de Música Experimental, que começa hoje em São Paulo, no CCSP, CCJ e na sede do Ibrasotope. O evento reúne artistas e grupos que trabalham a música experimental de diferentes maneiras. Cristiano Rosa (Panetone) ministrará a oficina Circuit Bending: o que é, o que faz e como se faz, onde os participantes poderão criar os seus próprios instrumentos. Marco Scarassatti abordará questões relacionadas a concepção e construção de Esculturas, Emblemas e Instalações na oficina Plásticas Sonoras. Também estão programadas apresentações de músicos e grupos como Livio Tragtenberg, N-1,Valério Fiel da Costa e conversas com alguns artistas. A realização é do Ibrasotope e Rumor produções sonoras.

Mais informações: http://www.ibrasotope.com.br/festival

Inscreva-se no Conexões Tecnológicas 2010 até 06 de agosto. Conheça os trabalhos inscritos e debata sobre a produção universitária em nosso ning. Siga o Festival também no facebook e no twitter.

Jackson Marinho Vieira, Mar-iasemver-gonha, 2010

quarta-feira, julho 14th, 2010

Jackson Marinho Vieira

UNB| Artes Plásticas

Área de participação: Artes

Sinopse do trabalho:
A obra constitui uma web arte colaborativa chamada Maria Sem Vergonha. Um sítio de encontro na web, de evento artístico em rede, no qual a manifestação daqueles que participam compõem ou decompõem, um devir coletivo em informações multimídia.  Este nó na rede possibilita a criação de uma  cybercollage (DOMINGOS, 1997: 296). Uma plataforma híbrida, por ser múltipla enquanto linguagem, constituída de fotos, textos, vídeos e animações reunidas em um ambiente digital.

Para que fim foi realizado?
Trabalho desenvolvido para grupo de Pesquisa.

Canal pessoal:

www.mar-iasemver-gonha.net

Resumo do curriculum:
Jackson Marinho Vieira estudante graduando em Artes Plásticas no Instituto de Artes da Universidade de Brasília, participa do Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos desde 2009 e outros grupos de Arte e Tecnologia, como o projeto Rede Brasileira de Instituições de Ensino Superior para Povos Indígenas, o Arte e Tecnologia Redes Transculturais em Multimídia e Telemática e o Autonomia Duvidosa. Tem atuado principalmente nos seguintes temas: fotografia, instalações interativas, performance, web arte e vídeoarte.

Melina Scialom e Mário Del Nunzio, Corpos Urbanos, 2009

quarta-feira, junho 16th, 2010

Melina Scialom e Mário Del Nunzio

UFBA | Pós Graduação em Artes Cênicas

Área de participação: Artes

Sinopse do trabalho:
Esta é uma instalação performática que parte de premissas antropológicas e se transforma em uma obra multimídia. Com essência transdisciplinar, reflete sobre a cultura urbana em constante mutação. Pesquisamos tipologias de movimento e sonoras utilizadas no entretenimento urbano. Desenvolvemos um catálogo da gestualidade e da diversidade musical presente em tais ocorrências que são digitalmente trabalhadas e transformadas em uma instalação multimídia de vídeo, música e interação corporal.

Para que fim foi realizado?
O trabalho foi realizado como resultado de pesquisa realizada entre os dois artistas-pesquisadores pós graduandos.

Canais pessoais:

http://www.flickr.com/corposurbanos/

http://www.youtube.com/corposurbanos

www.myspace.com/melinascialom

www.myspace.com/mariodelnunzio

Resumo do curriculum:
Melina Scialom, mestranda em Artes Cênicas (UFBA) e bacharel em Dança (UNICAMP), tem se dedicado à pesquisa acadêmica em Dança e sua relação entre novas tecnologias. Desenvolve performances solo e em colaboração com artistas de outras linguagens. Mário Del Nunzio é mestrando em Música (USP) e graduado em Composição (UNICAMP). Dedica-se a vertentes experimentais da produção musical. Compõe música instrumental e eletroacústica, e toca com grupos de improvisação / música não-escrita.

Video Mapping

terça-feira, maio 18th, 2010

Video Mapping em Budapeste, com participação do VJ Spetto

O Video Mapping (mapeamento de vídeo) é uma técnica que permite projetar imagens 3D em qualquer superfície de escala arquitetônica. Funciona assim: um software processa o mapeamento de elementos tridimensionais das construções como colunas, janelas e outros detalhes. Depois, as imagens mapeadas são estrategicamente combinadas com imagens bidimensionais pré-gravadas, criando ilusões gigantescas como a que você pode ver no vídeo acima. As imagens são de uma performance realizada recentemente no edifício central da Estação de trens Nyugati, em Budapeste, pelo grupo de VJs Cinetrip. O liveset contou com a participação do VJ Spetto e do VJ e programador Roger S, que desenvolveu um gerador de texturas arquitetônicas chamado MotoLED.

Projeções desse tipo, que extrapolam a tela bidimensional, também tem sido vastamente utilizadas em ações de marketing de grandes corporações. No vídeo abaixo você pode ver um pouco do processo de criação do video mapping:

JUMP | media facade | urban screening from urbanscreen on Vimeo.

E se você quiser saber um pouco mais, acontece hoje no LABMIS uma mesa redonda sobre o assunto. A atividade faz parte do ciclo “Interfaces: Design, Espaço Público, Redes Ubíquas”, realizado pelo Mestrado em Design da Anhembi-Morumbi, e conta com pesquisadores e profissionais que atuam na intersecção entre o design e o audiovisual.

Mais informações:

Mesa redonda: Video Mapping. Com Mateus Knelsen e Paloma Oliveira |Data: 18 de maio| Horário 19h

Próxima atividade do ciclo:

Mesa redonda: Interfaces sonoras. Com Dudu Tsuda, Mario Ramiro e Rafael Zenorine | Data 25 de maio| Horário 19h

Gratuito | Local | LABMIS – Museu da Imagem e do Som (Av. Europa, 158)

Realização: Mestrado em Design da Anhembi Morumbi, NetArt

Apoio: MIS, Governo do Estado de São Paulo

Festival Conexões Tecnológicas 2010 – mais detalhes, aqui.

Já fez a sua inscrição? A data limite é 18/06.

Veja os trabalhos que já estão inscritos nessa edição.

Clique aqui e debata sobre Artes e Design.

Música e Vídeo Interativo em PD

quarta-feira, maio 5th, 2010

Performance EILE, do artísta francês Yroyto

Performance do Duo N-1 (Giuliano Obici e Alexandre Fenerich) no Festival Live Cinema

Para quem já desenvolve ou quer desenvolver projetos de instalações interativas ou performances multimídia, o Curso de Música e Vídeo em PD é uma boa oportunidade. Ministradas pelo artista e professor Giuliano Obici, as aulas terão enfoque na interação entre dispositivos e interfaces através do software livre Pure Data. Para quem não conhece, o PD é um ambiente de programação gráfica para áudio e vídeo fundamentado em C++, que processa dados em tempo real.

Além de todo o conhecimento técnico e teórico necessário para a utilização da ferramenta, o curso também pretende abordar aspectos da arte digital, DJing e VJing. Não perca!

Local: SESC PinheirosGrátisInscrição no balcão da Internet Livre, 2º andar.

Data: 05 a 26 maio, quartas e sextas, das 15 às 18h

Festival Conexões Tecnológicas 2010 – mais detalhes, aqui.

Já fez a sua inscrição? A data limite é 18/06.

Veja os trabalhos que já estão inscritos nessa edição.

Clique aqui e debata sobre Artes e Design.

4º Concurso de Videoarte da FUNDAJ

quinta-feira, abril 22nd, 2010

Estão abertas as inscrições para o 4º Concurso de Videoarte da Fundação Joaquim Nabuco. O concurso tem como proposta incentivar a produção audiovisual de caráter experimental. Para isso, selecionará dois projetos que serão contemplados com um prêmio no valor de R$6.500,00 (seis mil e quinhentos reais) e suporte técnico para sua realização.

Clique aqui para ler o edital e ficar por dentro de todo o regulamento. As inscrições vão de 31 de Maio até 13 de Junho e são gratuitas.

E se você é de Recife ou planeja visitar a cidade, saiba que a FUNDAJ possui um dos acervos de videoarte mais completos da América Latina. São 129 trabalhos históricos de 16 artistas internacionais, disponíveis para acesso público. Basta agendar sua visita.

+info: www.fundaj.gov.br

Festival Conexões Tecnológicas 2010 – mais detalhes, aqui.

Já fez a sua inscrição?

Veja os trabalhos que já estão inscritos nessa edição.

Clique aqui e debata sobre Artes e Design.

Arte + e-lixo

quinta-feira, abril 1st, 2010

Lixo eletrônico (ou E-lixo) é um assunto que vem sendo debatido mundialmente, levantando tanto a questão do enorme consumo de bens eletrônicos, quanto à falta de orientação da população em como descartar corretamente este tipo de material. O problema se agrava com a evolução tecnológica, a grande oferta de gadgets e o processo crescente de obsolescência de eletroeletrônicos. O consumo acelerado gera um montante assustador de e-lixo, com grande impacto no meio ambiente. O Brasil é também grande gerador de lixo eletrônico e, em relação a outros países, está atrasado na gestão desse tipo de resíduo.

Incentivado por esta situação alarmante, o  artista cubano Steven Rodrig encontrou outra solução para o material rejeitado. Ele produziu uma coleção de obras chamada “PCB Creations”, que utiliza peças de computadores e componentes eletrônicos para construir esculturas. Essas peças dialogam sobre a questão do avanço tecnológico frente aos danos desse lixo eletrônico no meio ambiente, propondo uma reflexão sobre o tema.

Atento a esse cenário, o  Instituto Sergio Motta, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, desenvolveu o Projeto E-lixo Maps. Trata-se de um site desenvolvido pela artista multimídia Martha Gabriel, que utiliza a plataforma Google Maps para encontrar os locais mais próximos de sua casa que recebem esse tipo de resíduo. Faça a sua parte!

Acesse: http://www.e-lixo.org/

Festival Conexões Tecnológicas 2010 – mais detalhes, aqui.

Já fez a sua inscrição?

Veja os trabalhos que já estão inscritos nessa edição.

Clique aqui e debata sobre Artes e Design.

Aline Antunes, masca(RA)s, 2009

quinta-feira, março 18th, 2010

Aline Antunes
ECA – USP | Artes Plásticas – bacharelado em Multimídia e Intermídia

Área de participação: Artes

Sinopse do trabalho:
O projeto é um teatro de narrativa interativa. A história trata do triângulo amoroso entre as máscaras Arlequim, Pierrot e Colombina e mostra as conquistas e brigas entre as personagens em busca do amor. O ponto central é a ação direta do corpo do participante determinar a narrativa da obra. O espaço de acontecimento é virtualmente o interior de um cubo, onde cada face traz uma cena diferente da história. A seqüência das cenas depende do interator e, com isso, cada um pode criar sua própria história.

Para que fim foi realizado?
Foi realizado como trabalho de conclusão de curso (TCC) em Artes Plásticas, com bacharelado em Multimidia e Intermidia.

Canais pessoais:
http://www.alineantunes.com.br/mascaras/
http://alineantunes.wordpress.com/
http://www.youtube.com/line1510
http://www.facebook.com/profile.php?ref=profile&id=1297020169

Resumo do curriculum:
Atuante em design – web e gráfico – e artista plástica por formação e amor. Graduada em Artes Visuais, com bacharelado em Multimídia e Intermídia da ECA/USP (2009), possui pesquisas nas áreas de arte, design, games e mídias digitais. Seus maiores interesses atualmente se concentram na busca pelo desenvolvimento de websites criativos e diferenciados. No entanto, desenvolve trabalhos paralelos de ilustração, cerâmica, aquarelas e tudo mais que sua criatividade e curiosidade lhe instigam.